“Meu Primeiro Invento”: inscrições para edital de fomento prorrogadas até sexta (15)

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

As inscrições para o edital de fomento “Meu Primeiro Invento”, que seleciona propostas voltadas para Inovação, foram prorrogadas até a próxima sexta-feira (15/02). Outras datas também foram alteradas – com a divulgação do resultado final, que agora está marcada para o dia 20/02. Confira aqui o edital de retificação com os novos prazos.

O projeto, promovido pelo IFC por meio Núcleo de Inovação Tecnológica da Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (NIT/Propi), tem como público-alvo os estudantes de todos os campi do Instituto, que devem participar sob orientação de um servidor para coordenar o projeto.

As propostas devem ser enviadas em formato PDF para o e-mail nit@ifc.edu.br. O edital nº 156/2018 traz todos as informações referentes à seleção, como a documentação necessária, os critérios de elegibilidade, os compromissos assumidos pelos coordenadores e estudantes bolsistas e os deveres referentes à propriedade intelectual.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O EDITAL DE SELEÇÃO (E SUA RETIFICAÇÃO)

O “Meu Primeiro Invento” vai financiar 12 trabalhos. Para cada projeto aprovado, serão disponibilizados até R$ 10 mil em bolsa para alunos; até R$ 6,752,78 (via BB-Pesquisa) para custeio para material de consumo; e até R$ 3.333,00 (também via BB-Pesquisa) para aquisição de material permanente. O fomento total do programa é de cerca de R$ 240 mil.

A iniciativa tem como objetivo incentivar os servidores e alunos do IFC a criar soluções para problemas reais da sociedade. A expectativa é que a chamada resulte em pelo menos uma nova solicitação de pedido de proteção a Propriedade Intelectual junto ao NIT/Propi.

Este edital é o primeiro passo para que se estabeleça, em 2019, um programa institucional de fomento para o IFC, por meio do NIT. A seleção é de primeiro nível, com acesso facilitado, para incentivar a comunidade interna a desenvolver projetos e criar a cultura da inovação dentro do IFC.

O segundo nível planejado prevê editais que aderecem uma demanda induzida, com a participação de uma empresa ou associação, e que solicita uma solução prática para um problema real; esta fase deve financiar projetos de alunos e servidores já com certa experiência com o mercado de trabalho e a prática profissional. Já o terceiro nível do programa será voltado a projetos que já desenvolveram protótipos, já foram protegidas pelo IFC e que necessitem de aprimoramento para facilitar a chegada da tecnologia ao mercado.

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller