Educação Profissional com Ética e Responsabilidade foi o tema central do Congresso Nacional de Ensino Agrícola

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Aconteceu na quinta-feira e na sexta-feira, dias 23 e 24 de maio, o III Congresso Nacional do Ensino Agrícola (CONEA), o VI Congresso Estadual dos Técnicos Agrícolas de Santa Catarina (CETASC) e o XI Encontro Estadual do Ensino Agrícola de Santa Catarina (ENEASC). Os eventos tiveram mais de 300 congressistas e foram realizados no auditório do Instituto Federal Catarinense, Campus Concórdia. O tema central dos debates foi “Educação Profissional com Ética e Responsabilidade”. O objetivo do evento foi mobilizar os professores das escolas sobre a responsabilidade na formação técnica de excelência, com responsabilidade e ética, colocando profissionais no mercado de trabalho que tenham condições de desempenhar suas funções e atribuições profissionais conforme prevê a lei.

O presidente do CONEA, Gerson Batistella, explica que o déficit de aprendizagem dos alunos que chegam ao Ensino Médio é um dos obstáculos enfrentados pelas escolas e institutos que trabalham com Ensino Técnico Agrícola no país. “Uma das dificuldades que a gente percebe é que o aluno vem com muita defasagem ao Ensino Médio. A nossa missão é bastante complexa. Muitas vezes, recebemos alunos que mal sabem ler e escrever. Neste contexto, fica evidenciada a grande falha da educação em nosso país. Não precisamos nem dos indicadores que apontam que a nossa educação é ruim, ela está com problemas e a gente percebe isso em sala de aula. Temos um grande desafio, uma vez que não preparamos mão de obra, nosso objetivo e responsabilidade é preparar profissionais com formação integral, para serem empreendedores rurais, comerciais e agroindustriais. Formar e motivar para a sucessão familiar”, assinala.

Conforme Batistella, é preciso que as escolas deem ênfase às atividades práticas com os alunos. “Para que os alunos estejam preparados para o mundo do trabalho, precisamos oferecer a eles atividades práticas. Um curso profissionalizante jamais vai ter eficácia, se os estudantes ficarem somente na teoria. Nós precisamos desenvolver as habilidades desses alunos. Estamos trabalhando muito nesta ideia de que as práticas agropecuárias sejam um ponto fortíssimo na formação desses jovens e, para complementar, o estágio curricular obrigatório. O estágio garante a percepção clara da realidade desse nosso mundo do trabalho. Com isso acreditamos que é possível formar um profissional com excelência”, sublinha.

“Precisamos entender que nossos salários de gestores escolares e professores, são pagos com os tributos do trabalho produtivo dos profissionais que formamos para o mundo do trabalho. Isso representa a responsabilidade que temos em formar profissionais éticos e responsáveis para a continuidade desse importante ciclo econômico”.

O técnico em agropecuária Antonio Marcos Cecconello, um dos organizadores da programação realizada no Instituto Federal Catarinense, campus Concórdia, enaltece a qualidade das palestras e reforça a necessidade de que sejam buscadas ferramentas para melhorar o Ensino Técnico Agrícola no Brasil. “Foi um debate muito rico para refletir sobre a qualidade do ensino, a profissão do técnico em agropecuária e a ética ligada à atividade técnica. Há uma intensa discussão no país sobre uma proposta de reforma no ensino. Nós queremos formar técnicos com qualidade. Nós não podemos mais pensar em formar profissionais mais ou menos. A intenção do evento é retirar uma proposta e entregar à reitoria, sugerindo ações para o aprimoramento do ensino”, observa Cecconello.

Lançamento do livro do CONEA

Na quinta-feira à noite no Salão Social do Clube 29 de Julho foi lançado o livro intitulado “A proposta Catarinense para o ensino Técnico Agrícola no Brasil”. A obra foi organizada pelo CONEA e foi construída a partir da realização de cinco fóruns de ensino realizados no estado de Santa Catarina, com a participação de gestores escolares, coordenadores professores, técnicos agrícolas e representantes da iniciativa pública e privada ligados ao mercado de trabalho, nos quais os debates e discussões foram norteados pela promulgação da Lei 5.524/68 que reconheceu a profissão de Técnico Agrícola e Industrial, sendo regulamentada pelo Decreto 90.922/85 e atualizada pelo Decreto 4.560/2002.

Assim, entende-se que a legislação é clara sobre as atribuições do Técnico Agrícola e também sobre a responsabilidade das Instituições de Ensino formadoras desses profissionais, em trabalhar as competências, habilidades e conhecimentos necessários para que eles possam adquirir seus registros profissionais e exercer sua profissão conforme prevê a lei.

É um livro de extrema importância, pois não estamos propondo uma matriz curricular, mas sim as competências e habilidades que precisam ser trabalhadas nas escolas, para que os profissionais possam exercer sua profissão em plenitude. O nosso objetivo é que esse trabalho chegue às escolas de todo o Brasil”, acrescenta o presidente do CONEA, Gerson Batistella.

Palestrantes

Os palestrantes dos dias de eventos foram: Alessandro Eziquiel da Paixão, que abordou o tema: “Organização do Ensino Médio articulado aos Cursos Técnicos”, Anibal Thiele, Humberto Aloisio de Oliveira e Reginaldo Plácido participaram de uma Mesa Redonda com o tema: “A Realidade dos Cursos Técnicos em Agropecuária no Estado de Santa Catarina”, Antonio Waldimir Leopoldino da Silva falou sobre “Sustentabilidade no Agronegócio e Sucessão Familiar, Silvio Walter discorreu sobre “O mercado de trabalho para o Técnico em Agropecuária e o Exercício da Profissão”, José de Paz Cury abordou a temática: “Cooperativismo e a 4ª Revolução Industrial” e Hugo Matias Biehl traçou um panorama sobre: “Perspectivas e tendências do agronegócio brasileiro e inserção dos técnicos em agropecuária nesse mercado”.

Realizadores dos eventos

A realização do III Congresso Nacional do Ensino Agrícola (CONEA), o VI Congresso Estadual dos Técnicos Agrícolas de Santa Catarina (CETASC) e o XI Encontro Estadual do Ensino Agrícola de Santa Catarina (ENEASC) foi da Associação dos Técnicos Agrícolas de Santa Catarina (ATASC), Conselho Estadual de Ensino Agrícola de Santa Catarina (CONEA), Federação Nacional do Ensino Agrícola (FENEA), Núcleo dos Técnicos Agrícolas do Alto Uruguai Catarinense (NUTAC), IFC-Campus Concórdia e Sindicato dos Técnicos Agrícolas de Nível Médio de Santa Catarina (SINTAGRI).

Texto e fotos: Cecom/Concórdia