IFC participa da etapa estadual da Conape

quarta-feira, 14 de Março de 2018

No último sábado, 10 de março, foi realizada a Conferência Nacional Popular de Educação (Conape), etapa Santa Catarina, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, para debater sobre a Defesa da Escola Pública e o Plano Estadual de Educação, com a palavra de ordem “Educação Resiste e Luta”. O debate contou com participação de Eugênio Aragão, ex-ministro da Educação, e o professor Luiz Dourado, um dos autores do Plano Nacional de Educação (PNE).

Segundo os organizadores, a etapa estadual reuniu mais de 1.000 pessoas, entre trabalhadores da Educação Básica, Superior e Tecnológica, pais, estudantes, representantes de diversas entidades ligadas à educação, ao movimento sindical e social, parlamentares e demais convidados.

Além de auxiliar na organização, o Instituto Federal Catarinense (IFC) disponibilizou dois intérpretes de libras para tradução das atividades no evento. De acordo com o coordenador-geral de Cursos, Juliano Vilmar dos Santos, representante do Instituto na etapa estadual, a participação do IFC é fundamental em tais discussões. “Durante o evento, foi enfatizada a importância de se garantir as metas previstas no atual Plano Nacional de Educação, buscando, com isso, defender uma educação pública e de qualidade socialmente referenciada”, destacou Santos.

Etapa Nacional da Conape acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de maio em Belo Horizonte-MG.

Resultados da etapa estadual

Plenária aprovou emendas nos eixos do documento referência da Conape, apresentadas nas 11 conferências macrorregionais realizadas em Santa Catarina.
Foram aprovadas por unanimidade duas moções apresentadas pela professora Marta Vanelli, secretária de Formação da CNTE, quais sejam:
– Moção de repúdio à implantação da reforma do ensino médio em SC sem a definição da matriz curricular a ser adotada e sem o devido debate e esclarecimento para a comunidade escolar, em especial para os estudantes.
– Moção de repúdio ao fim da escola em tempo integral, proposta a partir da mudança de critérios para distribuição dos recursos do Programa Mais Educação, reduzindo-os em mais de 90%, os quais garantiam o financiamento da escola em tempo integral para os estudantes da Educação Básica de todo o país.
Também foi aprovada, por unanimidade, uma Carta Manifesto escrita por inúmeras entidades da sociedade civil, presentes na Conape SC, na qual os presentes assumem o inarredável compromisso de resistir e de lutar pela educação pública, gratuita e de qualidade, para todos/as, como direito humano, social e dever do Estado.

Texto: Cecom/Reitoria
Rosiane Magalhães | Jornalista / JP 12.715/MG